João Pinto

João Pinto começou a jogar futebol aos 12 anos no Clube de Futebol de Oliveira do Douro.


FC Porto

Tendo chegado ao FC Porto com 14 anos, João Pinto cumpriu ainda grande parte da sua formação nas Antas. Em 1981/82 integrou pela  primeira vez a equipa sénior, mas só na época seguinte conquistou a titularidade no lado direito da defesa, sob o comando de José Maria  Pedroto. Foi titular do FC Porto durante mais de uma década e nunca mais vestiu outra camisola, tendo envergado a braçadeira de capitão durante grande parte da sua carreira.

Em 1984 jogou a final da Taça das Taças, que o FC Porto perdeu frente à Juventus; três anos depois, já como capitão de equipa, levantou a Taça dos Clubes Campeões Europeus em Viena e ficou para a história por não ter largado a taça por um momento sequer desde que esta lhe foi entregue até recolher aos balneários. A Taça Intercontinental e a Supertaça Europeia da mesma época (1986/87) completam o seu palmarés internacional.

A nível interno, jogou 407 jogos e venceu mais de vinte títulos com o FC Porto, incluindo os três primeiros do histórico Penta (única altura em que um clube português foi campeão cinco vezes consecutivas). No final da época 1996/97, em que o FC Porto conquistou o primeiro tricampeonato da sua história, João Pinto decidiu terminar a carreira.

Selecção Nacional

A estreia de João Pinto na Selecção AA Portuguesa aconteceu em 1983, contra a França, quando tinha pouco mais de 21 anos e já contava com 34 internacionalizações nas selecções jovens. Pela selecção principal disputou 70 partidas, tendo marcado apenas um golo, contra a Suíça, numa partida de qualificação para o Mundial de 1990. Portugal não se qualificou para o referido mundial, mas João Pinto já havia feito parte da convocatória nacional em duas grandes competições: jogou as quatro partidas que Portugal disputou no Euro 84, enquanto no Mundial 86, lutando contra uma pleurisia, foi apenas suplente não-utilizado.

Ao disputar a sua 67ª partida pela Selecção Nacional, João Pinto tornou-se o futebolista português mais internacional de sempre, título que deteve até ser ultrapassado por Vítor Baía. Hoje, mesmo longe dos relvados há uma década, ocupa o sétimo lugar no ranking de internacionalizações e é o jogador que mais vezes capitaneou a Selecção Portuguesa - em 42 dos 70 jogos que disputou. Despediu-se da Selecção "em casa" - no Estádio das Antas - num Portugal x Ucrânia que Portugal venceu por 1-0, em 1996.

Palmarés

  • 1 Taça dos Clubes Campeões Europeus (1987)
  • 1 Supertaça Europeia (1987)
  • 1 Taça Intercontinental (1987)
  • 9 Campeonatos Nacionais (1984/85, 1985/86, 1987/88, 1989/90, 1991/92, 1992/93, 1994/95, 1995/96, 1996/97)
  • 4 Taças de Portugal (1983/84, 1987/88, 1990/91, 1993/94)
  • 8 Supertaças Cândido de Oliveira (1983, 1984, 1986, 1990, 1991, 1993, 1994, 1996)